Archive for “Março, 2017”

Saiba como sincronizar campanhas on e off em múltiplas telas.

Você já sabe que o consumidor está cada vez mais transitando entre telas para consumir conteúdo. Interagimos mais de 100 vezes com o celular durante o dia, assistimos TV comentando nas redes sociais, trabalhamos na frente do computador com o celular na mão. Isso sem mencionar aquele momento na academia onde temos uma TV ligada enquanto estamos ouvindo o streaming de música. O desafio de se conectar com este consumidor multitela está ficando cada vez mais complexo para as marcas.

Como acompanhar essa jornada diária entre telas e devices de forma fluída com mensagens que se complementam?

Esta possibilidade está muito mais próxima do que você imagina. A Alright Media trouxe para seus parceiros e clientes a capacidade de sincronizar campanhas de Mídias Sociais, Display e Vídeo com suas campanhas de TV e rádio. Isso acontece em larga escala e sem a necessidade de qualquer outra implementação , instalação de aplicativo ou aparelho ligado no ambiente do consumidor.

Essa automação acontece em tempo real em mais de 150 canais de TV aberta ou por assinatura e mais de 2000 rádios no Brasil.

Como funciona:

A sincronização é uma tecnologia de reconhecimento de conteúdo automatizado (ACR), que detecta um spot de TV no instante em que é transmitido. Ele automaticamente impulsiona a detecção em tempo real para a nossa plataforma de publicidade, para a ativação de campanhas digitais de TV sincronizadas.

Após a identificação de veiculação de um comercial de TV, em tempo real, disparamos uma ação para ativar campanhas de Google Adwords, Vídeo, Display ou Social Media. A tecnologia também pode ser utilizada em campanhas de guerrilha, a partir de campanhas de concorrentes.

Vantagens de sincronizar suas campanhas online com TV:

  1. Capturando a atenção do espectador distraído

Os anúncios online exibidos na segunda tela ao mesmo tempo em que o anúncio de TV reforçam a mensagem Servir anúncios online sincronizados com TV também abre um canal de engajamento imediato com o espectador. Usando seu dispositivo móvel, ele fica a apenas um clique de distância da aparência online do anunciante e nem precisa digitar o URL dos anunciantes para responder diretamente à chamada à ação do anúncio.

  1. Capturar o espectador inspirado na TV

27% dos telespectadores pesquisam informações de produtos on-line depois de assistir a um anúncio de TV, tornando vital fornecer imediatamente as informações que ele está procurando. A sincronização do site e das campanhas de pesquisa paga com um anúncio de TV faz, portanto, uma conversão mais simples, uma vez que os telespectadores inspirados na TV encontram as informações que procuram quando a sua compra é mais elevada.

  1. Permitir medir o impacto dos anúncios de TV

A detecção em tempo real, também permite que os anunciantes facilmente mensurem e analisem o impacto direto de um anúncio de TV em seus KPIs no site. Eles podem testar e otimizar suas campanhas, identificando assim os slots de TV com melhor desempenho e otimizando o ROI de seus anúncios de TV.

A sincronia da comunicação entre telas permite muitas novas possibilidades aos anunciantes. É um diferencial competitivo crucial na disputa pela atenção do consumidor.

Se você ficou interessado na possibilidade de alavancar resultados com campanhas integradas, entre em contato conosco: comercial@alright.com.br










Café com Mídia com Riza Soares – Grupo de Mídia do Paraná

O primeiro Café com Mídia do Grupo de Mídia do Paraná em 2017 terá a apresentação da Riza Soares sobre o futuro da publicidade na era da TV conectada.

Convidamos parceiros e colegas para tomar um café conosco no dia 28/3.

Quem ainda não é associado do Grupo de Mídia do Paraná fica a dica para fazer parte: http://bit.ly/2mqFPvd

Alright no SXSW: carros open source e o design computacional.

César Paz é o nosso Secret Agent no SXSW 2017. Logo nos primeiros dias do festival, ele nos traz dois temas extremamente relevantes para debater o impacto da digitalização de negócios.

Self Driving Hackers

Desde o manifesto “The Hacker Way” do Mark Zuckerberg em 2012, o termo “hacker” começou a ficar mais pop e menos visto como algo exclusivamente criminoso. Ser um hacker é hoje um modo questionador de se posicionar diante do status quo dos negócios digitais e da forma como a tecnologia está concebida na prática, afetando o dia a dia das pessoas. A palestra do George Hotz reproduziu bem este cenário no SXSW. Pra quem ainda não procurou na Wikipedia, Hotz foi o primeiro que conseguiu desbloquear o iPhone, liberando o mesmo para funcionar em qualquer operadora. Isso gerou uma série de controvérsias em torno da abertura dos sistemas operacionais para que as pessoas pudessem escolher livremente sua operadora.

Agora o novo projeto do George Hotz é o Comma.ai, que se propõe tornar qualquer veículo um carro autônomo. Da mesma forma que o Google disponibilizou o Android para qualquer fabricante de celular, ele pretende liberar seu projeto para os fabricantes de veículos. Sob o lema “we give away software to make your car self driving”, Hotz está desafiando a Tesla (nova Apple?) que está na liderança do segmento de carros autônomos hoje.

A moral do discurso dele é o mesmo do Zuckerberg: ser hacker é um modo de pensar, de quebrar barreiras burocráticas e tecnológicas em busca de evolução.   

 

Design para robôs.

Outro momento que ficou marcado nestes primeiros dias foi a apresentação do John Maeda. Ele colocou uma perspectiva futurista para o design nos próximos anos, mostrando de forma brilhante como estamos evoluindo do design centrado no ser humano (UX) para o design centrado na linguagem computacional.

Com a evolução da automação para o uso da inteligência artificial, cada vez mais seremos obrigados a pensar como formatar produtos, como comunicar e como se relacionar de diferentes formas com sistemas inteligentes. O próprio carro autônomo é um exemplo de como os sistemas de trânsito e segurança interna veículo deverão ser desenhados para se relacionar com bots e não com motoristas de carne e osso. Diferentemente dos seres humanos, a tecnologia se reproduz em maior escala e menor tempo. Isso significa que a curva de demanda dessa tendência é exponencial, assim como a tecnologia. É o design de experiência pensado para o ser computacional, com capacidades cognitivas e escalável ao bilhão.

O resumo deste início de SXSW é de um evento muito conectado com a realidade dos negócios de hoje, mas com uma perspectiva bastante concreta para os próximos 20 anos.