Past Week, Next Year – O fim do modelo de negócio tradicional

Todos os dias recebemos inúmeros links de artigos e informações sobre o mercado e as mudanças cada vez mais constantes de valores, comportamento e negócios. Porém esta semana, uma frase ficou marcada como uma grande verdade ainda não dita de forma tão clara. Lá vai:

“É mais fácil uma empresa de software entrar na indústria do que a indústria contratar pessoas da área de software”.

Essa frase saiu deste artigo que coloca na mesa questões cruciais para qualquer gestor de negócio nos dias atuais. Para os nossos padrões e momento latinoamericano é ainda mais impressionante ver os pontos levantados, pois o artigo começa questionando as grandes corporações de tecnologia que estão baseadas em modelos tradicionais de distribuição, monetização e utilização da força de trabalho. Estamos diante do início de uma revolução da qual não se tem ideia do resultado final.

Essa revolução está chegando para todas as empresas e todos os setores, em todas as partes do mundo. Não importa se você é um revendedor, fabricante, um profissional de saúde, um produtor agrícola, ou de uma empresa farmacêutica. O seu modelo tradicional de distribuição, a mecânica de funcionamento, e método de criação de valor irá mudar nos próximos 5 anos; você quer liderar ou ser deixado para trás.”

O artigo lista 4 grandes fatores que estão conduzindo esta revolução:

Fator 1: Hiperconexão – não estamos só conectados pelo celular. Nosso carro, nosso tênis, nossa TV e tudo o que tem algum dado sendo processado e conectado nos transforma não só em consumidores, mas num conjunto de dados que podem ser acessados e explorados de alguma forma pela indústria.

Fator 2: Individualização – este fator se desdobra do fator 1. Se cada um de nós é um conjunto único de dados, logo podemos se acessados de forma individual pelos sistemas de automação.

Fator 3: Comoditização da tecnologia – A capacidade de processamento de dados e acesso aos dados foram reduzidos a microcentavos nos últimos anos. A nova fronteira é a inteligência artificial, capaz de processar dados de forma evolutiva, criando uma empatia entre homem-máquina que tende a igualar a capacidade da máquina emular o homem. Logo, a força de trabalho é escalável ao infinito no ambiente digital.

Fator 4: Novas habilidades nos negócios – as empresas são grandes organismos compostos por pessoas e suas habilidades funcionando num processo determinado. As habilidades necessárias estão mudando e os processos são decorrência disso.

Em seguida, o artigo enumera e explica os 6 elementos vitais para que uma empresa sobreviva a essa revolução.

Recomendamos uma leitura profunda deste material.

https://shift.newco.co/the-end-of-tech-companies-b093e82d1118#.x3jvpzp01